frase do dia: ‘a homofobia é mais uma constatação da perda da ternura no mundo, ser
preconceituoso com os LGBTs é retroceder; além de prejudicar o crescimento humano.’

(letícia spiller - atriz brasileira)

última atualização: 19/08/2009 20:36:42

sábado, 22 de setembro de 2007

filme: I now pronounce you chuck and larry

título no Brasil: 'eu os declaro marido e...larry'
gênero: comédia
origem: estados unidos
ano de lançamento: 2007
direção: dennis dugan
elenco: adam sandler (charles "chuck" levine) e kevin james (lawrence "larry" valentine

Existem alguns filmes que todo mundo - gay ou não - devia assistir. "Eu os declaro marido e...Larry" é um desses. Comédia romântica gay é uma aula contra o preconceito. Por ser uma comédia, imagina-se que seja mais um daqueles pastelões recheados de clichês bobocas sobre a homossexualidade, mas esses ingredientes não chegam nem perto da telona. É uma história de amor. Não daquelas convencionais. Por tratar-se de uma comédia romântica, existe, sim, aquela fórmula do "tudo vai bem até que tudo fica mal para no final tudo ficar novamente bem".

Então o que chama atenção na história toda é o amor entre os dois amigos heterossexuais, Chuck e Larry, e como ter de se assumir gays, quando não são, muda completamente suas vidas. Soa até irônico para nós, homossexuais brasileiros, que um filme faça sátira com héteros apelando para um falso casamento gay a fim de conseguir direitos de pensão e seguro. Os dois são bombeiros e precisam simular uma relação homossexual estável. Os personagens se casam, vão a festas gays e Chuck, principalmente, deve resistir a tentação de se sentir atraído pela advogada da dupla, digo, do "casal". E é aí que o filme ganha uma força incrível. Quando ambos saem no jornal e a relação fica exposta, os personagens começam a viver dramas freqüentes a todos os homossexuais. O modo como o preconceito é tratado emociona.

Em determinado momento, Larry descobre que os outros rapazes do agrupamento no qual trabalha fizeram uma petição pedindo a transferência do casal para outro corpo de bombeiros. Pelo simples fato de "serem" gays. A lição de moral vem quando Larry cita inúmeras coisas que Chuck fez para cada um dos bombeiros antes de "se assumir gay", como ter salvado suas vidas ou emprestado dinheiro a eles, por exemplo. É emocionante ver no cinema a homossexualidade sendo tratada de maneira tão natural e de maneira tão positiva. Os personagens aprendem lições importantes com a saída do armário, o uso inconsciente da palavra "bicha" como termo pejorativo ou ofensivo. Em uma cena crucial Chuck diz algo mais ou menos assim: "E não usem mais a palavra bicha. Quer dizer, eu usava essa palavra, mas isso era antes, quando eu era um cara preconceituoso e bobo". A grande lição é que pouco importa a orientação sexual das pessoas e isso não deve servir para que alguém seja discriminado. É exatamente por toda a mensagem de respeito e união transmitidos que todo mundo deve ver esse filme. O final é super original e não poderia ser mais gay.

2 comentários:

Júnior Creed disse...

Mara, querida, td bem com vc? sou louco por cinema, viciado em filmes fora do eixo hollywoodiano. esse que vc citou, ainda não vi, ams parece ser bem in teressante, pela sinopse. bem que vc poderia vir re-assistir aqui, né? trazia pipoca e a gente fazia a festa. beijos, meu anjo, tenha um lindo final de semana.

Elza disse...

O que eu mais detesto e não encontrar estes filmes nas locadoras...e ultimamente nem na net eu tenho dado sorte, baixei um q veio foi um virus... mas, não desito e continuo tentado...
gostei muito da dica, vou tentar encontrar este com legendas pra tirar.

boa semana.
=]