frase do dia: ‘a homofobia é mais uma constatação da perda da ternura no mundo, ser
preconceituoso com os LGBTs é retroceder; além de prejudicar o crescimento humano.’

(letícia spiller - atriz brasileira)

última atualização: 19/08/2009 20:36:42

sexta-feira, 14 de março de 2008

homenagem a uma lésbica: soraya bittencourt

uma brasileira e lésbica que mudou a percepção feminina no mundo da engenharia eletrônica e da computação no Brasil.

De família pobre, porém batalhadora, Soraya Bittencourt, é uma homossexual brasileira que quebrou preconceitos desde os anos 70 ao ingressar em uma universidade pública no Rio de Janeiro para se formar em engenharia, profissão genuinamente masculina para a época.

Desde muito cedo, Soraya já apresentava traços bem diferenciados que as meninas da época, sua diversão preferida era desmontar e montar utensílios domésticos e também criar invenções a partir de sucatas, como seu primeiro invento: um projetor de slides, feito a partir de uma saboneteira e uma lanterna. Trabalhou e provou que engenharia e máquinas eram também para garotas e, aos 21 anos, já estava em um bom posto na Sousa Cruz. Depois trabalhou na Embratel e foi responsável por acionar o motor apogeu que colocou em órbita o Brasilsat 1, o primeiro satélite do Brasil que mudou o sistema de telecomunicações brasileiro.

Permitiu que qualquer lugar do nosso pais recebesse as noticias diárias da televisão assim como sinais telefônicos e de rádio. Soraya também introduziu lasers para o entretenimento no Brasil e participou com a NASA na recuperação de dois satélites. Até se tornar uma das melhores profissionais de desenvolvimento da Microsoft, hoje a maior potência na área de tecnologia em software.

Vinda de um casamento fracassado, Soraya encantou-se por algumas garotas e passou a ter plena convicção de que seus desejos afetivos e sexuais eram por mulheres. Encarou o preconceito de uma separação e foi morar com uma “amiga”, Lucila. Soraya então decidiu ir viver nos Estados Unidos em busca de melhores oportunidades de vida, sobretudo em sua carreira profissional, e então convenceu Lucila a imigrar com ela. Naquele país, começaram fazendo faxinas e lavando pratos até que, conseguindo legalizar-se retornou a sua profissão de origem, engenharia de sistemas e computação, e trabalhar em uma pequena empresa de tecnologia, onde foi bem sucedida.

Em seguida, abriu uma loja de serviços de informática em Boston e, após o assédio de grandes empresas, transformou-se em diretora de software na ‘Number Nine Corporation’, gerente de Engenharia de Produtos Multimidia na ‘Lotus Development’ e mesmo sendo mulher, latina e lésbica, conseguiu atrair a atenção de Bill Gates e desenvolver um projeto de sucesso na empresa mais competitiva do mundo. Na Microsoft criou a primeira agência de viagens na Internet a ‘Expedia.com.’ que revolucionou o mercado turístico e transformou a maneira de comprar passagens e fazer reservas em hotéis, usando somente a internet. Sua especialidade reside em desenvolvimento de aplicativos, para a Internet e para aparelhos portáteis como o telefone celular ou o Pocket PC. Ela possui uma série de patentes nessa área.

Atualmente ela é Chief Executive Officer e fundadora da ‘Nutrihand Inc’. A missão da Nutrihand é fornecer tecnologia pela internet para gerenciamento da saúde, fornecendo aos consumidores ferramentas para prevenir e gerenciar doenças, como a hipertensão, diabetes, obesidade, problemas renais, e outras. Profissionais de saúde usam os serviços para servir melhor seus pacientes, monitorar o tratamento a distância, interferir quando necessário e atingir melhores resultados a baixo custo.

Após anos lidando com diabetes e sendo incapaz de encontrar qualquer solução que possa ajudar a gerenciar essa doença, Soraya decidiu criar uma empresa que tivesse como foco a criação de ferramentas para melhorar a vida dos diabéticos não só como ela, mas também de pessoas que sofrem de outras doenças crônicas.

Fora do trabalho, Soraya toca bossa nova e jazz no saxofone. Trabalha também com a comunidade para ajudar na luta contra a AIDS, e na luta pelos direitos iguais para todos. É também, autora do livro ‘Uma vida de sucesso – como uma homossexual se deu bem na Microsoft’, um relato biográfico autêntico e inspirador de uma mulher que foi atrás do que queria. No livro, ela revela como driblou preconceitos e tornou-se uma milionária da indústria de tecnologia americana, e conta detalhes curiosos sobre o mundo da informática no Brasil e nos Estados Unidos, as dificuldades que os brasileiros enfrentam num país estrangeiro e o desafio de se deixar um casamento heterossexual para assumir um relacionamento homossexual.

2 comentários:

New disse...

Antes de mais nada uma mulher guerreira. Precisa mais?
Bjs.

Luiz Lailo disse...

Mais um post bonito da Mara. Pelo pique do assunto achei o texto um pouco curto.
Quando estive na Escola Nacional de Engenharia, em 1964, na minha turma haviam algumas meninas. Tive inclusive duas ou três professoras. Uma delas, que conduzia as aulas práticas de física, se permitia até uma piadinha - dizia que as qualidades da balança eram as mesmas da mulher: ser fiel, sensível e justa.