frase do dia: ‘a homofobia é mais uma constatação da perda da ternura no mundo, ser
preconceituoso com os LGBTs é retroceder; além de prejudicar o crescimento humano.’

(letícia spiller - atriz brasileira)

última atualização: 19/08/2009 20:36:42

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

homenagem a uma mulher israelense: alma rosé

regente-heroína sob o signo do holocausto

A música não era sagrada para o regime nazista. Mesmo nos campos de extermínio ela era meio de diversão, elemento tranqüilizador e álibi para o regime. Mas também a possibilidade de fuga interna e forma de protesto.

O campo de concentração Terezin (Theresienstadt) ficava a 60 quilômetros da capital da então Tchecoslováquia, Praga. Para dezenas de milhares de prisioneiros tratava-se de uma estação de passagem para as câmaras de gás de Auschwitz. Para o regime nazista, era chamado de ‘campo-modelo’. De início, toda e qualquer atividade artística era punida com a morte. O que não impediu muitos condenados de inventar todo tipo de artifício para não se separar de seus instrumentos. Um violoncelo – grande demais para passar despercebido – era, por exemplo, desmontado, e, uma vez dentro do campo, o músico voltava a colar suas partes. Com esses instrumentos contrabandeados, realizavam-se concertos secretos nos porões ou sob os telhados de Terezin.

Logo, os mentores do holocausto perceberam como explorar até mesmo a energia artística ‘ilegal’ dos sofridos detentos. Exibir a rica atividade musical em Terezin era uma forma de provar à opinião pública que as notícias sobre os horrores dos campos de concentração não passavam de propaganda dos inimigos do nacional-socialismo, legitimando as atividades do regime. O fato de cada vez mais atores, diretores, cientistas e músicos serem confinados aos guetos garantia produção musical de alta qualidade em Terezin.

Uma ópera infantil, ‘Brundibar’, de Hans Krása chegou a ser utilizada pelos nazistas como instrumento de propaganda. Os ensaios da ópera infantil composta em 1938 realizaram-se num porão, acompanhados por piano, ou apenas por um acordeão. Dependendo de se os músicos podiam permanecer ou se eram subitamente transportados para Auschwitz, havia por vezes uma pequena orquestra. Apesar de tudo, cantar a ópera, ainda que por alguns momentos, era como um reencontro com a infância roubada. ‘Brundibar’ foi executada 55 vezes em Terezin, porém a maioria dos participantes não sobreviveu.

No campo tchecoslovaco, não apenas se executava música, como também se compunha intensamente. Entretanto, em 16 de outubro de 1944 quase toda música emudeceu em Terezin. O trem de transporte ER 949 levou Peter Deutsch (ex-regente da Orquestra Real de Copenhague), o libretista Leo Strauss e compositores como Pavel Haas, Viktor Ullmann, entre outros, para Auschwitz. Os mais idosos, como Hans Krása, autor de ‘Brundibar’, foram diretamente para a câmara de gás, após o desembarque.


O próprio campo de extermínio de Auschwitz, na Polônia, possuía uma orquestra feminina, com cerca de 50 instrumentistas, entre 17 e 20 e poucos anos de idade, sob a regência de Alma Rosé, além de outras dez, que copiavam as peças a mão. Para que música na sala de espera da câmara de gás? Para os de fora, a existência dessa orquestra era um álibi, a falsa prova de que os internos viviam em condições humanas. Mas também não faltavam verdadeiros melômanos entre os oficiais da SS, entre eles o abominável Dr. Josef Mengele, apelidado o ‘Anjo da Morte’, extremamente musical e que, mesmo durante o exílio na América do Sul, não deixava de freqüentar concertos. Outros, como Adolf Eichmann, exigiam entretenimento durante a inspeção dos campos.

As musicistas eram confrontadas diariamente com uma amarga tarefa: cronicamente subnutridas, executar música de forma convincente, para os assassinos de suas famílias e amigos, e possivelmente seus próprios futuros algozes. Um precário prolongamento da vida, que podia acabar numa nota mal tocada.

Apesar dos relativos privilégios de que gozavam as instrumentistas, música era acima de tudo uma forma de trabalho forçado em Auschwitz, envolvendo de 10 a 12 horas diárias de ensaios. Além disso, a qualquer hora um oficial podia resolver escutar sua melodia favorita, e neste caso as mulheres tinham que estar sempre a postos. Outra cruel função da orquestra feminina era tranqüilizar os novatos, que acabavam de chegar ao campo após a viagem no vagão de carga de um trem. Nesse contexto de vida ou morte, a figura da regente Alma Rosé toma proporções de heroína. Com enorme habilidade psicológica, ela conseguiu durante anos, manter o difícil equilíbrio entre o rigor necessário à disciplina da orquestra e o calor humano indispensável à sobrevivência mental de cada uma das mulheres sob a sua batuta. Até hoje, algumas das musicistas de Auschwitz afirmam dever a vida a essa mulher. (por augusto valente)

clique nas imagens para ampliar

livro sobre alma rosé
alma rosé - livro de richard newman e ka9ren kirtley

orquestra de mulheres em auschwitz
abril de 1943 - outrubro de 1944
(desenho de mieczyslaw koscielniak)

orquestra de mulheres por mieczyslaw koscielniak

orquestra de homens em auschwitz
dezembro de 1940
auschwitz - orquestra de homens (1940)auschwitz - orquestra de homens (1940)

Um comentário:

liv disse...

Mara,vi um filme a espeito das orquestras em campos de concentraçao.Belo e cruel pelo esforço d sobrevivencia e pela condição brutal dos artistas.A alam humana é terrivel.Um certo autor disse que o melhor e o pior do humano surge no seu limite.Alí no ha como se esconder.Penso que a vida,a existencia é mesmo uma provação.Só nao sei se do céu ou do infrno! Enfim,a belza,a feiura,a bondade e a crueldade cabe neste corpo e na alma.É assustador!Abraçao amigo.liv