frase do dia: ‘a homofobia é mais uma constatação da perda da ternura no mundo, ser
preconceituoso com os LGBTs é retroceder; além de prejudicar o crescimento humano.’

(letícia spiller - atriz brasileira)

última atualização: 19/08/2009 20:36:42

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

homenagem a uma lésbica: joe carstairs

Joe Carstairs

Marion Carstairs Barbara nasceu em Londres em 1900. Seu avô, o americano Jabez Bostwick, fez fortuna com Rockefeller em petróleo e ferrovias. Conhecida mundialmente como 'Joe Carstairs' teve uma infância difícil. Seu pai deixou a família antes dela nascer e sua mãe era uma alcoólatra. Em 1916, ingressou na Cruz Vermelha para conduzir ambulâncias na França e na Irlanda durante a Grande Guerra. Posteriormente ingressou na ‘Women's Legion Mechanical Transport Section’ em Dublin. Durante seus anos na França e na Inglaterra desenvolveu o amor às máquinas e a velocidade. Em 1920 ela criou, com amigos e com sucesso, uma garagem de motoristas profissionais.

Joe se destacava na multidão por seu comportamento extravagante, geralmente vestida como homem e fumando charutos. 'Eu nunca fui uma menina', declarava, 'já saí do útero queer'. Em 1918 ela casou com um francês, mas apenas para obter dinheiro de sua mãe, uma tóxico-dependente cujo quarto marido era um famoso cirurgião. Logo que sua mãe morreu Carstairs anulou seu casamento com o argumento de que nunca foi consumado. Em 1925 ao receber as heranças da sua mãe e avó, a primeira coisa que fez foi comprar uma lancha.

joe carstairs disputando o ‘Harmsworth Trophy’Durante os cinco anos seguintes marcou o mundo masculino das lanchas de corrida. Ela venceu e conquistou o ‘Duke of York's Trophy’ em 1926, mas o seu objetivo era conquistar o ‘Harmsworth Trophy’, o mais prestigiado prêmio do mundo. Joe concorreu em 1928, 1929 e 1930, mas foi derrotada em cada ocasião. Porém ela se estabeleceu como a mulher mais rápida em corrida de lanchas. Trinta dos troféus que ela ganhou estão em exposição.

Joe Carstairs na ilha de Whale CayNo início dos anos 30, Joe estava enfrentando problemas fiscais tanto em Inglaterra, como nos Estados Unidos. A imprensa, que havia sido favorável durante o seu primeiro êxito na corrida, tornou-se cada vez mais hostil devido a sua vida nada convencional. Então, em 1933 ela comprou a ilha de Whale Cay nas Bahamas por US $ 40000, uma ninharia em comparação com o que ela gastava em lanchas de corridas. Quando ela chegou à ilha encontrou uma jovem negra, que mantinha o farol em ruínas. Ela contratou sete homens de Nassau, a capital da colônia, para ajudá-la a construir uma estrada de uma ponta à outra.

Nos quarenta anos que Joe ali viveu, ela investiu grandes somas de dinheiro, na reconstrução do farol, na construção de uma usina, uma estação de rádio, uma escola, uma igreja, um armazém geral, e estradas, mas seu único meio de transporte sempre foram dois botes. Comprou mais ilhas. Sua casa era no estilo espanhol, branca, com azulejos vermelhos e parapeitos de ferro forjado, e nos jardins foram plantados palmas, tamarindos, amêndoas e uvas.

Durante estes anos ela acolheu inúmeros hóspedes, um fluxo constante de amigos da Inglaterra e da América visitou Whale Cay, como o Duque e Duquesa de Windsor e Marlene Dietrich que foi sua amante. Elas estavam fascinadas uma pela outra. Carstairs estava tão apaixonada que ofereceu Whale Cay a Dietrich, com a população incluída; Dietrich aceitou apenas uma praia.

Joe Carstairs com Lord Tod WadleyNamorou Dolly Wilde, a sobrinha de Oscar Wilde, e a atriz Tallulah Bankhead. Mas, seu companheiro constante e tratado por ela como o seu melhor amigo foi Lord Tod Wadley, um boneco de couro dado a ela como presente por sua secretária e namorada Ruth Baldwin em 1925. Wadley foi tudo para Joe: companheiro, protetor, alter ego.

Em 1975, com 75 anos, ela foi obrigada a vender Whale Cay. Joe ficou devastada com a perda da sua ilha. Ela chorou apenas uma vez em sua vida, a morte da namorada que lhe deu Tod Wadley, e agora ela chorou novamente. Seu barco de corridas favorito foi jogado para o fundo de um rio em Whale Cay para ali ficar eternamente. Viveu o resto de sua vida dentro e ao redor da Flórida, nunca demasiado longe do mar, com Lord Tod Wadley, já com o rosto de couro rachado, descascado e remendado com pequenos band-aids, mas ainda com o doce sorriso e o olhar pueril.

Ela morreu em 1993, com 93 anos, convencida de que sem ela a ilha se converteria em deserto. No decurso da investigação de um jornalista sobre Joe Carstairs, foi constatado que a ilha estava praticamente deserta. Apenas um casal vivia lá. As estradas estavam desmoronando. Como previsto, a ilha foi devolvida à floresta. Em seu testamento, Joe deixou $ 33 milhões e uma infinidade de brinquedos e recordações, cada um dos quais foi atribuída a um amigo ou a um empregado. Mas não houve menção ao boneco Tod. Conforme desejo, ela e Wadley foram cremados juntos.






selo que ganhei da new
do blog estúrdio blog’s new






selo que ganhei da vivian
do blog dia-a-dia com a sua farmacêutica



obrigada queridas...

4 comentários:

Victor S. Gomez disse...

Sempre trazendo novidades, personagens importantes e de caráter. Um grande beijo

Vivian Sbrussi disse...

Oiii Mara!

tem um selinho pra vc lá no meu blog!

http://viviansbrussi.blogspot.com/2009/02/selo-seu-blog-e-roxie.html

bjo

Malu disse...

a história é comovene

Luciana disse...

Caraca! Eu não conhecia o seu blog. A Re acabou de me linkar pelo MSN. É lindo, é muito bom! Parabéns! Preciso vir aqui mais vezes para ler os posts.
Pelo que li, já gostei. Já vou colocar seu link nos meus blogs. Posso? Onde você conseguiu essa imagem do atentado à Língua Portuguesa? Acontece que sou professora de português e adorei a imagem.

Beijos, Tamara,

Seja Bem-Vinda ao Panela das Sete Mulheres!
Acho que ganhamos um presente tendo você conosco!