frase do dia: ‘a homofobia é mais uma constatação da perda da ternura no mundo, ser
preconceituoso com os LGBTs é retroceder; além de prejudicar o crescimento humano.’

(letícia spiller - atriz brasileira)

última atualização: 19/08/2009 20:36:42

sábado, 25 de agosto de 2007

o que é: transexual

Os signos de Vênus e de Marte unidos em um mesmo símbolo representam a androginia e também a transexualidade.


Transexual é um indivíduo que possui uma identidade de gênero oposta ao sexo designado (normalmente no nascimento). O indivíduo tem a clara sensação e percepção de que pertence a um sexo que não está de acordo com o seu sexo biológico levando-o, muitas vezes, a um tratamento hormonal e/ou cirúrgico nos órgãos genitais para equilibrar a discordância entre sua identidade sexual e seu corpo. A explicação estereotipada é de "uma mulher presa em um corpo masculino" ou vice-versa, ainda que muitos membros da comunidade transexual, assim como pessoas de fora da comunidade, rejeitem esta formulação. Deve ser ressaltado que a transexualidade não está associada ou é dependente da orientação sexual. Mulheres e homens transexuais exibem uma gama de orientações sexuais. Por exemplo, alguém designado como do gênero masculino no nascimento mas que identifica-se a si como uma mulher, e que é atraída tão somente por homens, irá identificar-se como heterossexual, da mesma forma, alguém que foi designado como do sexo feminino no nascimento, identifica-se como homem e prefere parceiros homens ira identificar-se como gay, não como heterossexual.


Apesar de pouco debatida, a transexualidade no nosso país é levada a sério pelo sistema público de saúde. Desde 1997 as cirurgias de redesignação de sexo no Brasil são gratuitas, desde que realizadas em hospitais-escola do setor público. Para ter acesso ao serviço, o paciente deve ter mais de 21 anos, ser mentalmente capaz, estar em conformidade com os pré-requisitos dos protocolos médico e psicológico e assinar um termo de consentimento para a cirurgia.

Causas da transexualidade: não há cientificamente nada que prove quais são as causas da transexualidade. Entretanto, muitas teorias sugerem que a causa tem suas raízes na biologia outras na psicologia. No passado, muitas causas psicológicas para a transexualidade foram propostas, incluindo "mães superprotetoras e pais ausentes", "pais que almejavam uma criança do sexo oposto", "homossexualidade reprimida", "abuso sexual" ou uma variedade de "perversões sexuais". Nenhuma dessas teorias, entretanto, pôde ser aplicada para a maiorias das pessoas transexuais, normalmente nem mesmo para uma significante minoria. Muitas teorias foram também aplicadas a homossexuais e também não funcionaram.

Redesignação sexual: grande parte dos homens e das mulheres transexuais sofre psicologica e emocionalmente devido ao conflito entre identidade de gênero, seu papel de gênero original e sua anatomia. Encontram como única saída a mudança de seus papéis de gênero e a passagem por uma terapia de redesignação sexual. Isso pode incluir o uso de hormônios para modificar suas características sexuais secundárias, ou mesmo se submeter a uma terapia de redesignação sexual. A partir da confirmação do diagnóstico da transexualidade e o desejo do paciente de trocar de sexo, é iniciada a etapa médica do tratamento. A hormonioterapia ajuda gradualmente ao transexual despojar-se de algumas características sexuais contrárias à sua real identidade sexual.

1 - No transexual mulher para homem são administrados hormônios androgênios que promovem o crescimento de pêlos faciais e corporais, aumento da massa muscular e tornam a voz mais grave. São retiradas as mamas (mastectomia), o útero (histerectomia) e os ovários (ooforectomia ). É construído um neofalo, a partir de enxerto moldado em formato peniano (faloplastia) que poderá ficar ereto com uso de uma prótese.

2 – No transexual homem para mulher, o pênis é esvaziado, mas a pele e os nervos do órgão são preservados. Ele é introduzido na abertura feita no períneo. O tecido do pênis serve de revestimento para a nova vagina. A glande, muito sensível, fica no fundo do canal e imita o colo do útero. Os testículos são extraídos. Com a pele, o cirurgião constrói os lábios vaginais. O aspecto final é muito semelhante à genitália feminina.



Moira: a transexual da série The L Word

Na terceira temporada da série The L Word, transmitida pelo canal pago Warner Channel, um assunto pouquíssimo discutido no Brasil virá à tona no decorrer da trama: o transexual feminino para masculino. A personagem Moira/Max, interpretada pela atriz Daniela Sea (homossexual e lindérrima assumida na vida real) passará, com o desenvolver da temporada, a identificar-se como transexual e iniciará o processo de redesignação, passando do sexo biológico feminino para o masculino. Site oficial da Daniela




Alan: a transexual brasileiro de feminino para masculino

Confira, abaixo, a entrevista (retirado do site MixBrasil) de Alan, transexual brasileiro, que passará pela transição de feminino para masculino em breve e que luta na justiça para a mudança do nome nos documentos oficiais podendo assim, constituir família perante a lei.

. Como é ser transexual no Brasil?
Complicadíssimo, ainda existe muito preconceito principalmente no meio GLBT, mas se tiver força de vontade e lutar pelos objetivos, os mesmos serão alcançados.

. Como foi sua infância?
A infância foi tranqüila porque ainda não tinha a curiosidade de saber o que acontecia comigo, tinha que obedecer as regras mesmo.

. E a decisão de mudar de sexo, como e quando aconteceu?
Tem 1 ano que conheci alguns irmãos de causa e vim me conhecendo e vendo o que realmente rolava comigo.

. Você passará pelo processo completo de transição? Como é o procedimento cirúrgico?
Completo ainda não penso, mas farei a mastectomia, o uso de testosterona e daqui a alguns anos a histerectomia. Pra chegar à cirurgia temos que passar por uma terapia, onde recebemos um laudo, comprovando que somos realmente transexuais.

. Como sua família encara sua determinação?
Alguns ainda se opõem a minha decisão principalmente minha mãe, mas tenho tios e primos que me dão maior apoio e já m aceitam como Alan.

. Como sua esposa encara sua coragem?
Ela é a maior aliada nisso tudo, me apóia em todas as decisões e como uma ótima esposa me deixa hiper a vontade em nossa relação.

. Como é constituir uma família diante dos impedimentos legais no nosso país?
Estamos buscando junto a advogados o consentimento da mudança do nome até a cirurgia, isso sendo feito não teremos impedimentos legais a partir do momento que meu R.G constará sexo masculino.

. Você não tem medo de se arrepender?
Eu só me arrependo do que não faço, e pra mim isso não é um capricho, é uma necessidade, uma conquista, um reconhecimento, só serei eu mesmo quando puder me olhar no espelho e me ver como eu sempre me senti.



Lista de transexuais famosos mundialmente

A lista abaixo é de transexuais e transgêneros que de algum modo trouxeram benefícios para a sociedade, seja lutando em favor das minorias, seja como pessoas públicas que se destacam artística, cultural, científica ou politicamente:

Brasil
Andréia de Maio, empresária e militante dos Direitos Humanos GLBTT(in memorian)
Bárbara Graner, educadora e porta-voz dos Direitos Humanos GLBTT
Brenda Lee, militante dos Direitos Humanos GLBTT (in memorian)
Bianca Soares, atriz, ex-participante da "Casa dos Artistas 4", no SBT
Claudia Wonder, artista, colunista, escritora e militante dos Direitos Humanos GLBTT
Fernanda Benvenutty, enfermeira e militante dos Direitos Humanos GLBTT
Jackeline Galiaci, primeira latino-americana a fazer uma CRS (in memorian)
Kátia Tapety, política.
Katielly Lanzini, jornalista e escultora.
Maitê Schneider, atriz e militante dos Direitos Humanos GLBTT
Moa, política.
Roberta Close, atriz e modelo.
Roberta de Massao Ida, primeira médica assumidamente transexual do Brasil.
Rogéria, atriz transformista.
Ruddy Pinho, cabeleireira, atriz e escritora.
Thelma Lipp, atriz, jurada de programa e apresentadora. (in memorian)
Walkiria La Roche, hostess e militante dos Direitos Humanos GLBTT
Waléria Torres (ou Wal Torres, MS - PhD, também conhecida como Martha Freitas), terapeuta do gênero e sexóloga.

China
Zhang Lin, militante.

Dinamarca
Lili Elbe, transexual pioneira do século XIX.

Espanha
Antonia San Juan, atriz.
Carla Antonelli, atriz e militante.

Estados Unidos
Christine Jorgensen, ex-soldado, primeiro transexual americano a se submeter a uma CRS (in memorian)
Jennifer Finney Boylan, escritora e professora universitária
Lynn Conway, engenheira e inventora.
Marci Bowers, médica.
Rusty Mae Moore, economista e professora universitária.

França
Camille Cabral, médica, política e militante pelos Direitos Humanos GLBTT
Coccinelle, artista e dançarina (in memorian)

Países Baixos
Kelly van de Veer, atriz e modelo.

Índia
Kamla Jaan, política.
Shabnam Mausi, política.
Tista, atriz

Irã
Maryam Khatoon Molkara, militante

Israel
Dana International, cantora.

Itália
Vladimir Luxuria, ator, político e ativista do Direitos Humanos GLBTT

Nova Zelândia
Georgina Beyer, política.

Portugal
Filipa Gonçalves, modelo e ex-participante do reality show "Quinta das Celebridades", na TVI
Nádia Almada, ex-vendedora ganhadora da versão inglesa do Big Brother.

Serra Leoa
Fannyann Eddy, importante militante e fundadora do movimento GLBTT do país (in memorian)

Um comentário:

Alina Horta disse...

É tão bom saber que tem tanta gente que, apesar de toda luta, de toda dificuldade, consegue ir além e mudar de sexo, realizando o sonho de ser externamente o que já é internamente. Isso serve de exemplo para não sermos fracos(as) e seguirmos o exemplo dos(as) pioneiros(as), que, contra tudo e todos, chegaram lá. Como disse Maiacowski: "Viver não é difícil, difícil é a vida e seu ofício."