frase do dia: ‘a homofobia é mais uma constatação da perda da ternura no mundo, ser
preconceituoso com os LGBTs é retroceder; além de prejudicar o crescimento humano.’

(letícia spiller - atriz brasileira)

última atualização: 19/08/2009 20:36:42

quarta-feira, 29 de abril de 2009

homenagem a um transexual: billy lee tipton

Billy Lee Tipton é um nome conhecido de muitos apreciadores de jazz e a sua carreira passou por várias bandas, e, finalmente, a sua própria banda, ‘The Billy Tipton Trio’. Mas foi somente depois da sua morte, que Billy se tornou um dos nomes mais famosos do jazz, quando os enfermeiros da ambulância que o vieram socorrer, lhe tiraram a roupa, e viram um corpo de mulher debaixo de roupas de homem. Não conseguiram salvar a vida de Billy, que morreu na presença de um dos seus filhos adotivos, que não sabia que o nome de batismo do pai era Dorothy Lucille Tipton.

Billy Lee Tipton

Billy nasceu em 1914, em Oklahoma. Os pais divorciaram-se quatro anos mais tarde, e ele passou a viver com uma tia. Começou a mostrar interesse pela música, particularmente pelo saxofone e piano, no colégio, mas não conseguiu entrar na banda da escola, que não admitia meninas. Também encontrou dificuldades para entrar nas bandas locais, que tocavam em bares e cafés, até que, aos 19, passou a vestir-se como homem para apresentar-se nos palcos. A voz de Billy era masculina e ele enfaixava o peito, e usava um pano enrolado para dar volume às calças para que ninguém suspeitasse do seu corpo feminino.

Na vida pessoal e para os colegas de banda, até os 36, Billy continuava a apresentar-se como Dorothy. Durante esses anos, viveu com uma mulher, Non Harrell, numa relação que os colegas de banda descreviam como ‘lésbica’. Ainda antes de deixar Harrell a sua carreira floresceu, e Billy tornou-se um nome célebre do jazz. Nenhum dos músicos com quem tocava sabiam da transexualidade do colega. A transição de Billy aconteceu antes das primeiras cirurgias genitais serem feitas, na década de 50, apenas com terapia hormonal e outros procedimentos terapêuticos, sem cirurgia. Usando a justificativa de que um acidente rodoviário tinha desfigurado a sua caixa torácica, por isso era enfaixada, e usando um vibrador, Billy conseguia ter relações sexuais com as suas namoradas, sem que elas percebessem o seu corpo feminino (será?).

A penúltima namorada, e com quem teve a relação mais longa, foi Kitty Kelly, com quem adotou três filhos. Após a morte de Billy, os filhos acusaram a mãe de saber, e esconder deles, a transsexualidade do pai. Quando a relação com Kitty acabou, ele voltou para uma ex-namorada, a artrite o fez abandonar o jazz, e estava quase na miséria. Em 1984, aos 74 anos de idade, Billy sentiu-se mal, e, pensando que não era nada grave, não chamou uma ambulância exatamente para não correr o risco de ver descoberta a sua transexualidade. O estado dele piorou, e um dos filhos adotivos finalmente chamou ajuda. Enquanto os médicos tentavam salvá-lo, o filho descobriu, em choque, que o pai tinha um corpo de mulher. Billy acabou por morrer pouco depois, de hemorragia ulcerosa. A ex-companheira Kitty tentou que o corpo do ex-namorado fosse cremado, para esconder a sua história, mas um dos filhos contou aos jornais, e a vida do pai tornou-se imediatamente objeto da curiosidade pública.

Em homenagem a Billy, depois da sua morte, foi fundado o quarteto de jazz ‘The Billy Tipton Memorial Quartet’. ‘Stevie Wants to Play the Blues’ e ‘The Slow Drag’ foram peças de teatro inspiradas na sua vida. E a cantora lésbica americana Phranc dedicou-lhe a canção ‘Tipton’. As motivações de Billy para fazer a transição continuaram a serem debatidas por muito tempo após a sua morte, e alguns acusaram-no de a fazer apenas para ganhar os privilégios dados somente aos homens, no jazz. Mas, todos os que lhe foram próximos relatam que Billy era simplesmente um homem, um homem que nasceu num corpo de mulher.

Gravou dois LPs
'Billy Tipton - Sweet Georgia Brown' e 'Billy Tipton Plays Hi-Fi on the Piano'

Billy Tipton - Sweet Georgia BrownBilly Tipton Plays Hi-Fi on the Piano

artigo sobre Billy após a sua morte; o ‘Billy Tipton Trio’, e a biografia
‘Suits Me: The Double Life of Billy Tipton’ por Diane Wood Middlebrook

Billy TiptonBilly TiptonBilly Tipton

2 comentários:

Jane disse...

Não conhecia esse blog, nossa quanto tempo eu perdi, agora estou fascinada, parabéns.
beijos

Juan Trasmonte disse...

Mara, não conhecia essa história. Obrigado por apresentá-la
beijos